quinta-feira, 24 de abril de 2014

Você sabe o que é aquela massinha amarela que sai de nossa garganta?

A amigdalite ou tonsilite crônica caseosa, também chamada de amigdalite críptica, é relatada como uma sensação de desconforto ou irritação frequente na garganta e se caracteriza pela eliminação de cáseos amigdalianos, isolada ou associada a outros sintomas como a halitose (ou mau hálito), sensação de corpo estranho ou amigdalite de repetição. Tais sintomas podem, ainda, ser acompanhados de hiperemia (vermelhidão) e hipertrofia (aumento) das amígdalas, sem hipertermia (aumento da temperatura), e geralmente desaparecem após a eliminação do cáseo. Esta enfermidade pode ocorrer em qualquer idade, inclusive em indivíduos que nunca tiveram sintomas nas amígdalas.
cáseo amigdaliano, também chamado de caseum, tonsilolito ou popularmente, bolinha na garganta, se forma em pequenas cavidades existentes nas amígdalas, denominadas  criptas amigdalianas. O cáseo é uma massa viscosa e seu nome deriva do latim caseum, que significa queijo, assemelhando-se assim a uma pequena “bolinha de queijo” com um odor forte e desagradável.
Os cáseos amigdalianos podem ser expelidos durante a fala, tosse ou espirros, ou ainda, têm de ser retirados das amígdalas mediante a utilização de instrumentos ou “apertando-se” as amígdalas, podendo gerar ferimentos nestes últimos 02 casos.
Os cáseos amigdalianos são um problema que afetam uma significativa porcentagem da população, sem haver até recentemente um método simples, econômico, seguro e não invasivo de tratamento conservador.
A presença de cáseos pode favorecer o aparecimento de inúmeras desordens bucais e sistêmicas, como a saburra lingual, a doença periodontal, mau hálito (halitose), amigdalites, entre outras, além de afetar as relações interpessoais (profissão, casamento e vida em sociedade) devido à alteração no hálito que ele provoca.
Os tratamentos propostos, até o momento, são clínicos, através do uso de anti-inflamatórios, de gargarejos com soluções salinas e anti-sépticas, sem resultados satisfatórios, ou cirúrgicos, através de amidalotomias e amigdalectomias convencionais ou conservadoras, utilizando-se o laser que mantêm parte das amígdalas e que consiste na remoção de parte das cavidades (criptas amigdalianas) em uma sucessivas intervenções cirúrgicas.
As pesquisas e técnicas mencionadas neste site, envolvendo produtos desenvolvidos para a manutenção de um hálito fresco e agradável, foram publicadas em Revistas científicas brasileiras de renome, tendo sido apresentadas pelo Dr. Maurício Duarte da Conceição e pelaDra. Luciana Sassa Marocchio na Conferência Mundial de Halitose, em Abril de 2009, em Dortmund, na Alemanha, promovida pela ISBOR – Sociedade Internacional para Pesquisa dos Odores da Respiração.
Os textos deste artigo são de autoria do Dr. Maurício Duarte da Conceição, proprietário da Clínica Halitus (www.clinicahalitus.com.br), que atua há mais de 16 anos no tratamento da Halitose, com mais de 4.000 tratamentos pessoalmente realizados, tendo desenvolvido uma linha de produtos exclusivos para a manutenção de um hálito fresco e agradável (www.halitofresco.com.br). para controle dos cáseos amigdalianos e saburra lingual, 2 das principais causas do mau hálito.
Fonte: www.caseosamigdalianos.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário